Arquivo mensais:dezembro 2014

Alguns ex-colegas uspianos estão na linha de frente da defesa da tese de que o prefeito Haddad (e Alckmin, consequentemente) deve ser poupado pelas manifestações no próximo mês. Isso porque o aumento da tarifa dos transportes para R$3,50 não incidirá sobre 100% da população (supostamente, os mais pobres ficam isentos).

A estes colegas, uma perguntinha: vocês também são a favor de que a USP passe a cobrar mensalidades, mas “só para quem pode pagar”?

O mesmo engodo tucano da “mensalidade só pra quem pode pagar” é o que dá base ao discurso petista para o preço da passagem. É mercantilização dos direitos. Conceder isenção à parcela mais pobre do estudantado (não de toda juventude) é ótimo, assim como é bom congelar o preço do bilhete único mensal, semanal e diário. Mas isso não esconde o fato de que a tarifa passará para R$3,50 – um verdadeiro assalto! Não esconde o fato de que a ampla maioria da população que utiliza o transporte (na forma e na frequência que for) é a população pobre e trabalhadora, que já paga caro por um serviço de péssima qualidade. Não esconde, sobretudo, o fato de que o aumento da tarifa visa a encher, com o dinheiro do povo pobre, o bolso de empresários corruptos, como a auditoria do transporte público demonstrou recentemente. Prefeitura e governo do Estado estão novamente lado a lado, arquitetando as maldades contra a população e, dessa vez, tentando confundir mais o movimento, com o auxílio dos meninos e meninas “progressistas” do prefeito, gente que arrota ser de esquerda, mas gosta mesmo é de um cargo na prefeitura.

(Aparentemente, para alguns ex-colegas da USP, tem feito muita diferença o ordenado que para eles cai no fim do mês, pago pelo prefeito “tranquilão” ou por qualquer parlamentar ou dirigente vendido do Partido dos Trabalhadores. O efeito imediato é a desonestidade ideológica, melhor amiga do peleguismo desavergonhado. Nada muito distinto de 2013, quando também esse pessoal era conivente com o aumento das tarifas – daquela vez, sem mediações -, foi engolido pelas ruas e depois esperneou sobre um suposto “avanço da direita”. Patéticos!)